Artigo de Nizan hoje na FSP

Artigo de Nizan Guanaes hoje na Folha . Com direito a discordar dos perigos de se acreditar em Papai Noel. Claro que com o intuito de levar um sopro de otimismo nesse momento de descrédito geral. E também relembrar que é um vitorioso .

Nizan Guanaes hoje 26-11-2015 na FSP

EU ACREDITO

Eu acredito em Papai Noel. Mesmo depois de, aos seis anos, um coleguinha estraga-prazeres ter me contado a mentira de que ele não existe, eu continuei acreditando. Os empreendedores todos acreditam em Papai Noel. São crianças grandes, que acreditam em coisas mágicas e impossíveis. Afinal, os homens sensatos se adaptam ao mundo. Os homens insensatos tentam adaptar o mundo a eles. Isso significa que todo o progresso da ciência se deve aos homens insensatos – os empreendedores. Os caras que acreditam em Papai Noel são os que mudam o mundo, constroem empresas, fazem a humanidade avançar. Marcel Herrmann Telles, da Brahma, acreditou em Papai Noel, acreditou muito. Ele sempre dizia, brincando, que um dia ia comprar a Budweiser. As pessoas normais não acreditavam nisso. Mas Marcel acreditou em Papai Noel, e o bom velhinho ouviu seus pedidos. Eu acredito em Papai Noel. E quem acredita em Papai Noel acredita em coisas que não existem. Por isso mesmo, eles fazem existir coisas que até então não existiam. Walt Disney acreditava em Papai Noel. Ele acreditou num rato. Você acha que um ser humano normal vai acreditar num rato? Vai fazer um império baseado em uma coisa nojenta? Isso não passa em pré-teste. Pois Disney, grande acreditador do bom velhinho, acreditou no rato e fez coisas inacreditáveis a partir do Mickey.

Eu acredito em Papai Noel. Acreditei a vida inteira. Nasci no Pelourinho, numa casa de cimento batido e sem água encanada. A gente aquecia a água no fogão, botava num latão e usava uma cuia para se banhar. A chance de eu estar onde estou hoje era uma em mil, no mínimo. E quem me trouxe até aqui foi a crença em Papai Noel e em coisas mágicas, que só a fé vê. Acredito em Papai Noel. Pedi coisas a ele a vida inteira. Pedi sucesso em São Paulo como publicitário, e não é que o Washington Olivetto me levou para a DPZ? Pura magia. Empurrado por sonhos, fui crescendo e fazendo coisas que só os sonhadores fazem. Porque os sonhos me levaram a ter meu próprio negócio, a conquistar prêmios, contas – a conquistar o mundo. E a fazer coisas que só se pode fazer sonhando. Guga e eu abrimos nossa agência, a DM9, em setembro de 1989 com investimento do Banco Icatu. Em março de 1990, o Plano Collor levou todo o nosso dinheiro. Sobrou o quê? O sonho. E foi o sonho que nos trouxe até aqui. O sonho levou o menino pobre do Pelourinho a lugares que ele jamais poderia sonhar. Papai Noel tem vários nomes. Sonho grande, fé, esperança, imaginação, superação, poder da mente. Para mim, Papai Noel não mora no polo Norte. Mora naquele lugar da mente e da alma onde as coisas comuns, os lugares-comuns e os homens comuns não chegam.

Papai Noel mora na alma de Steve Jobs, de Mark Zuckerberg, nos olhos do cara que criou o Netflix. Gênios empreendedores, eternas crianças. Que homem sério batizaria a sua empresa de “maçã”? Só um acreditador de Papai Noel. É verdade que, com o tempo, minha cartinha a Papai Noel foi ficando mais ambiciosa. Antes eu pedia coisas, depois fui pedindo coisas complicadas, como ter um sonho de criança, ter paz de espírito. Agora estou pedindo netos. Claro que, para ser atendido, você tem de ser um bom menino, fazer coisas boas, sonhar coisas belas e mágicas. Os empreendedores são aqueles que acreditam em Papai Noel e por isso ganham mais do que presentes. Eles fazem o futuro. Feliz Natal empreendedores. Feliz Natal acreditadores em Papai Noel.”

Enviado do meu iPhone

Deixe o seu comentário

Filed under Uncategorized

Petrobras gasta R$ 200 milhões com investigação sobre crimes da Lava Jato – 05/10/2015 – Poder – Folha de S.Paulo

Quem tem que pagar somos nós ou essa gang do PT?

http://m.folha.uol.com.br/poder/2015/10/1690178-petrobras-gasta-r-200-milhoes-com-investigacao-sobre-crimes-da-lava-jato.shtml?mobile

Enviado do meu iPhone

Deixe o seu comentário

Filed under Uncategorized

Mapa das últimas 5 eleições presidenciais-Fonte FSP

http://www1.folha.uol.com.br/infograficos/2014/10/117411-20-anos-de-disputas-presidenciais.shtml

Enviado do meu iPad

Deixe o seu comentário

Filed under Uncategorized

Para que ao menos fique registrado.Vergonha!Pobre País!

http://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2014/10/10/dilma-se-estarrece-com-divulgacao-de-depoimentos-e-quanto-ao-conteudo/

Enviado do meu iPad

Deixe o seu comentário

Filed under Uncategorized

Pesquisa Ibope sobre Consumo de cultura

Pesquisa Ibope sobre Consumo de cultura

Entrevistas da pesquisa foram feitas pelo Ibope (Renato Stockler/Agência Na Lata)
Entrevistas da pesquisa foram feitas pelo Ibope

“O consumo de atividades culturais ainda é realidade distante da maior parte dos brasileiros”. Essa é uma das principais conclusões do Panorama Setorial da Cultura Brasileira 2014. Construída a partir de entrevistas feitas pelo Ibope, a pesquisa mostra que ouvir música é a atividade mais praticada pelos brasileiros (44%), seguida por assistir à TV (39%), ouvir rádio (35%), acessar a internet (30%) e ir ao cinema (25%).

No período entre novembro de 2012 a novembro de 2013, foi perguntado aos entrevistados que tipos de atividades culturais foram realizadas do momento em que estavam sendo questionados até um ano antes. Os resultados mostraram que menos da metade dos consultados praticou alguma ação relacionada à cultura.

Nesse universo, a prática religiosa foi a mais citada, totalizando 42%. O hábito de ir ao cinema foi declarado por 38%. Ir a restaurantes aparece em terceiro lugar (34%), passear no parque ou ao ar livre vem em quarto (30%).

O estudo foi realizado em 75 cidades das cinco regiões do país e apoiado pelo Ministério da Cultura, por meio da Lei Rouanet. Foram consultadas 1620 pessoas, entre 16 e 75 anos de idade, das classes A, B, C e D. O lançamento nacional do projeto ocorre nesta terça-feira (16). Além do livro impresso, os dados podem ser acessados no site www.panoramadacultura.com.br .

Em geral, é na região Sudeste onde se verifica maior interesse por práticas culturais. O Nordeste e Centro-Oeste aparecem logo em seguida. “Verificamos que o consumidor do Nordeste é o que mais valoriza a opinião de críticos bem como dá mais importância para o local em que a atividade acontece”, informa Gisele Jordão, que dividiu a autoria da pesquisa com Renata Allucci.

Gisele aponta a cultura e o conhecimento como ferramentas fundamentais no processo de posicionamento dos indivíduos frente ao mundo, na superação de dificuldades, conquista de bem estar e boa convivência social. “Em síntese, podemos afirmar, segundo os resultados obtidos, que o praticante cultural tende a ser um indivíduo mais equilibrado entre perspectivas individuais e coletivas”.

Brasil: consumo cultural | Create Infographics

Deixe o seu comentário

Filed under Uncategorized

Brasil não precisa de Ministério do Futebol

Brasil não precisa de

Ministério do Futebol

O que o Brasil precisa é de um Ministério de Esportes que cuide do esporte na escola, do esporte como atividade física, do esporte para todos, e não de dinheiro público jogado num orgão preocupado com futebol como foi aventado recentemente. Isso seria um crime.

Em 2002 ao ser nomeado Ministro de Esportes por FHC tendo Lars Grael como Secretario Nacional, dei essa declaração à imprensa: ”não quero ser Ministro do Futebol”.

Um país há décadas sem políticas de Estado voltado para a prática da atividade física desde os primeiros bancos escolares, que ignora os seus 350 mil profissionais de educação física, que não promove o chamado Esporte para Todos, que não dispõe de Centros de Referência e Excelência Esportiva regionais, que não cria um banco de talentos e que teve nos últimos anos um Ministério de Esportes voltado mais para o futebol não pode se atrever a querer ser uma nação sadia e potência esportiva.

Nessa Copa, acabamos de tomar uma surra inesquecível nos campos. E eis que vejo nosso governo com tantas prioridades de país dar declarações oportunistas querendo propor intervenção na CBF e gerir assuntos do futebol.Só faltava essa.Chega de “país do futebol,”pátria de chuteiras”,Brasil país do Futebol”.

Vamos trabalhar o esporte como questão de estado, com políticas públicas corretas, sepultando esses modelos viciados e arcaicos que só assim ,em seguida ,virão os resultados.

Depois da vergonha da nossa seleção na Copa, não tenho também expectativas de grandes performances em medalhas nossas nos Jogos Olímpicos de 2016. Só espero que a exemplo da Copa possamos ter uma organização que não comprometa nossa imagem no exterior.

Segundo editorial de 2012 do jornal O Estado de S.Paulo foram gastos R$ 331 milhões para financiar a preparação dos atletas brasileiros que foram a Londres. O editorial diz que somados os recursos publicos a conta chega perto de R$2 bilhões.Exageros possíveis à parte,os gastos resultaram em exatas 17 medalhas conquistadas pelos nossos heróis.Ou seja R$19 milhões o custo de cada medalha .Mais importante que essa conta banal, é o fato de que esses recursos se perdem por conta do imediatismo e pela falta de se pensar em longo prazo. Além disso, o foco dos políticos e dirigentes do COB está errado em se pautar apenas por medalhas sem olhar para a questão estrutural do esporte brasileiro.

Com uma população perto de 200 milhões de brasileiros vivemos até aqui só de medalhas conquistadas por heróis esporádicos como Ademar Ferreira da Silva, João do Pulo, Joaquim Cruz, Gustavo Borges, Daiane dos Santos, Robert Scheidt, Cesar Cielo, Magic Paula, Torben e Lars Grael, Arthur Zanetti, Sarah Menezes e as de nosso vôlei por enquanto ainda dourado.

Vôlei, aliás, que é e tem sido exemplo, por conta de um trabalho planejado que se iniciou ainda no final dos anos 70 e que teve na figura extraordinária do grande Luciano do Valle que nos deixou,seu incentivador maior.
Nessa época surgem campanhas inovadoras como o “Adote um Atleta”, “Sport for All’,” Um Ginásio em cada Salão de Festas” e ”Roda Viva do Esporte” das quais participei.

Com o “Adote um Atleta” em 1976 surge em São Paulo o primeiro Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa. De lá despontaram Willian, Montanaro, Amauri, Ivonete, Ricardo Prado, Oscar, Hortência, Magic Paula, Miguel de Oliveira, Chiquinho de Jesus e dezenas de outros.

Luciano do Valle que neste ano infelizmente nos deixou, foi o único jornalista brasileiro que, embora já fosse consagrado como o maior locutor de TV de nosso futebol muito trabalhou e realizou pelo nosso esporte amador. Vôlei,basquete,boxe,atletismo,hóquei sobre patins no Brasil devem muito a ele.

O fato é que nossos governos abandonaram o caminho de se investir em futuras gerações, na prática da atividade física, e na valorização do profissional de educação física.

Não se faz uma nação de atletas campeões com a ausência de políticas de Estado para o esporte que temos hoje no país. Vamos estar sempre nos enganando e vivendo do ufanismo de alguns dirigentes e jornalistas. A Grã-Bretanha saiu de um 36º lugar no quadro de medalhas olímpicas de Atlanta em 1996 para um 3º em Pequim e em Londres. quando conquistou 65 medalhas. Não foi por um acaso, nem por um passe de mágica. O Brasil em Atlanta ficou em 25º lugar com 15 medalhas apenas duas a menos das conquistadas agora. A nossa melhor colocação na história foi em 2004 em Atenas quando. ficamos em 16º lugar. E não posso deixar de assinalar que o esporte que deu mais medalhas e orgulho ao Brasil na história das Olimpíadas foi a Vela que convenhamos não é esporte de massa… Algo está errado. Ou muito errado.

Missão do governo não é dar mais dinheiro às Confederaçōes ou para os eventos, mas fazer com que Esporte seja considerado Política de Estado e que a cultura do esporte amador e da atividade física esteja presente na mente dos brasileiros.

Esporte é agenda estratégica para Presidente da República, Ministros da Educação, Saúde e das Cidades, Governadores, Prefeitos…

Somente o abraço a macro políticas estruturais fará com que o jorrar de dinheiro público no esporte de alto rendimento deixe de ser questionado diante da certeza de que o trabalho vai ser bem sucedido.

Fui Ministro de Esportes e Turismo de 2001 a 2003 tendo a figura ímpar de Lars Grael como Secretário Nacional de Políticas de Esporte. Estávamos no caminho certo: Esporte na Escola; Olimpíadas Escolares; Valorização do Profissional de Educação Física; Massificação do Esporte e da Atividade Física; Esporte para Todos; Esporte Paraolímpico; Centros Regionais de Talentos Esportivos; Banco Nacional de Talentos; Valorização e apoio aos Clubes que investem em formação; Conselho Nacional de Atletas; Intercambio com Treinadores Internacionais de Ponta; Centro Olímpico Nacional de Excelência no Esporte…

Mas como em qualquer governo, infelizmente a transição vem junto com a descontinuidade administrativa. E o futebol, com a escolha da Copa no Brasil, virou agenda quase única do Ministério do Esporte cabendo ao COB cuidar sozinho do esporte no conhecido modelo a ser das Confederações Esportivas. E vieram os Jogos Pan-americanos, as Olimpíadas de Londres e o que podemos esperar de diferente em 2016? Está na hora de se pensar já em 2020. Nosso papel no futebol em 2014 mostra como estamos atrasados.

Estou convencido de que nas estruturas governamentais o Esporte deve estar alocado na área da Educação. Não quero exaltar modelos de uma época de triste lembrança, mas o fato é que quando existia o Departamento de Educação Física e Esportes-DED no antigo Ministério de Educação e Cultura, pensava-se no Esporte para Todos e ,mais do que isso, na boa utilização das ferramentas estratégicas do setor – no caso as escolas e os professores de Educação Física. Um novo modelo eficiente e moderno poderia ser pensado pela presidenta Dilma, como por exemplo, uma Agencia Nacional de Desenvolvimento do Esporte e da Atividade Física. Com profissionais do ramo trabalhando nela com contrato de gestão, compromissos e metas.

Triste para um país do tamanho do Brasil ter um número de poucas medalhas resultante mais dos esforços e dos talentos pessoais de alguns atletas que nos dão alegrias, do que de políticas consistentes de esporte. E a culpa disso repito é das três esferas de Governo que não assumem o setor como questão de Estado, e também em grande parte da mídia que tem a maior parte de seus espaços reservadas ao futebol e muito pouco aos esportes olímpicos. O esporte de alto rendimento merece sim recursos e atenção, mas antes tem todo um caminho a ser estrategicamente trabalhado e é preciso investir na mudança de culturas.

Cito também o Ministério da Saúde que fala que somos um povo que não pratica atividade física e dos males que essa realidade traz no campo também da saúde dos brasileiros.

A conquista de medalhas olímpicas sem dúvida enche de orgulho qualquer nação e seu povo e vira tema da imprensa a cada Olimpiada, onde as análises óbvias se repetem

Mas para um país como o nosso,ainda dopado pelo tema futebol, o primeiro e fundamental passo é abraçarmos a tese de que mais importante que a conquista de uma medalha olímpica é criarmos cenários amplos que possibilitem o direito e despertem o interesse de qualquer criança brasileira praticar atividade física e um esporte.

A medalha olímpica será consequência futura. Foi o que disse Sebastian Coe na cerimônia de encerramento dos Jogos Olimpicos de Londres: ”o grande legado desses jogos é sabermos que toda uma geração de jovens vai abraçar e se interessar pela prática de um esporte olímpico” :

Daí a necessidade de também trabalharmos para formarmos uma geração sadia, que vai gerar filhos sadios. É o primeiro dos passos! Que por miopia e visão só de curto prazo, deixamos de lado.

Nada contra a paixão pelo futebol que também me seduz e me leva aos estádios para torcer,sofrer e sorrir pelo meu tricolor,Mas não é assunto de estado ou de governo por mais incompetência que encontremos no setor.

Governo tem que cuidar de outras prioridades num país ainda com tantas carências como o nosso.Uma delas é o esporte onde futebol não tem espaço.

Deixe o seu comentário

Filed under Uncategorized

Bandeiras a desfraldar

Li muito,com razão e sem paixão ,muito do que se escreveu sobre a nossa derrota vergonhosa para a Alemanha.A derrota foi tão marcante que o choro de muitos se transformou em aplausos justos aos adversários.

Faz parte e vamos em frente.Muitos desses jovens poderão em 2018 nos dar alegrias.

O que não engulo mais,é essa histeria irresponsável de “Brasil país do futebol “,”pátria de chuteiras”…num país que precisa de bandeiras maiores e de geraçoes menos dopadas com esses temas.

Lembro-me dos “90 milhoes em ação “e de Médici com radinho de pilha no ouvido e a mídia reverberando para a pátria distraída.

Mudaram as ferramentas e a tecnologia ,mas essa questionável euforia pré fabricada vem nos cegando de há muito.Nada contra alegria ,mas contra os exageros que pouco contróem para a formação de um povo.

O resultado é que ficamos para trás.Temos grandes escolas e grandes talentos hoje em todo o mundo.

A copa em si ,os jogos,as torcidas,o compartilhamento com o mundo foram positivos.

Ótimo.

Mas nosso time era fraco e deu no que deu.

Justo exaltar a grandeza ética e as declarações respeitosas dos jogadores alemães para conosco. Relembrar a forma alegre e sem frescuras com que se divertiram e ajudaram comunidades da Bahia onde ficaram.Aplaudir a elegancia do time alemão na vitória.

Se estivessemos ganhando de 7 a 0 chapéu,caneta,firulas…palhaçadas a tripudiar.

Deram uma lição a todos nós.

Temos muito a aprender e está mais do que na hora deixar de lado essa historia de país do futebol.Claro sem deixarmos de nos divertir,torcer e gritar por nossos times do coração.Mas temos bandeiras muito mais urgentes a desfraldar em nome de um país melhor para nossos filhos.

Enviada do meu iPhone

Deixe o seu comentário

Filed under Uncategorized